Mundos

A minha escrita incide em vários cenários, a maioria são planetas existentes no mesmo universo partilhado. A partir do seguinte esquema, entende os mundos onde os meus trabalhos são passados:

O universo padrão em todos os meus livros de fantasia é o Zallarverso, onde existem três planetas gémeos: Zallar, Semboula e Bhaset.

  • No mundo de Zallar é passado o meu livro Espada que Sangra e todos os livros das Histórias Vermelhas de Zallar, assim como a noveleta Servimos Miúdas Mortas, que esteve prestes a sair numa antologia da Saída de Emergência e espero conseguir publicar um dia.
  • No mundo de Semboula é passado o meu livro Língua de Ferro: Um Sacana Qualquer, disponível gratuitamente em pdf aqui no site.
  • No mundo de Bhaset é passado o meu livro stand-alone Embaixada e os livros seguintes que escreverei do Ciclo Bhaset. Também atribuo a este mundo o conto A Maldição de Odette Laurie, incluído na antologia “Os Monstros que nos Habitam”.

Pontos em comum:

  • Apesar das diferenças em termos de ambiente, sofisticação e geografia, a disposição dos continentes destes três mundos é vagamente similar, sendo as diferenças apenas causadas pelos movimentos tectónicos dos planetas.
  • O deus Khsem é adorado nos três mundos: no mundo de Zallar, é assim chamado pelos videntes de Namantisqua ao deus que os povos estrangeiros chamam de Aan e de Jaffaz. Acusam-no de ser ter violado Mallaya, a deusa-mãe, e de assim ter criado o universo. Também no Ciclo Bhaset e em Língua de Ferro: Um Sacana Qualquer, este nome é evocado como divindade de adoração.

Os seguintes contos por mim publicados são passados no nosso universo:

  • A Estação de Santa Apolónia, em Lisboa, tem um passado oculto imaginado por mim no livro Lisboa Oculta;
  • A Caveira de Deus, da Colecção Barbante, passa-se num futuro longínquo ou dimensão paralela;
  • Mais Que Fazer, do Almanaque Steampunk 2019, é um conto steampunk ambientado numa Sintra futurista;
  • O conto sobrenatural O Melro, que escrevi para o evento It’s Alive 2020, é passado em Portugal;
  • O conto O Ópio do Povo, que integra o livro antológico Comandante Serralves, é passado no planeta Vénus dentro desse universo compartilhado.

Se pretendes saber mais sobre estes mundos, navega pelas seguintes sub-secções desta coluna.